quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

domingo, 11 de dezembro de 2011

Brasa no parapeito


Ontem, contaram-me uma história e eu revi-me muito nela...

Imaginem um grupo de amigos que se reune, frequemente, saiem juntos, conversam, almoçam juntos. Até que um dia um dos elementos do grupo (vamos chamar-lhe João), deixa de aparecer. Os outros começam, obviamente, a estranhar este comportamento e um deles decide ir a casa do João para tentar saber o que se passa.
Quando chega a casa do João e o João vê o seu velho amigo, percebe logo o motivo da sua visita. O amigo entra, sentam-se no sofá da sala em frente à lareia e, em silêncio, ficam a contemplá-la, ao seu crepitar e à sua mística. Ainda em silêncio, o amigo do João, aproxima-se da lareira e tira uma brasa do fogo e coloca-a no parapeito da lareia. A brasa outrora incadescente, começa a perder a cor até torna-se carvão.
Ainda no silêncio, o João percebeu o que o amigo lhe quis dizer...

Ora aqui está!
Todos somos brasas, mas quando nos auto-colocamos no parapeito das "lareiras", quando nos colocamos à margem, quando nos colocamos à parte desses centros de luz, dessa amizade, desse calor, acontece-nos três coisas: primeiro, caminhamos sozinhos; segundo, perdemos a vivacidade; e terceiro, tornamo-nos como o carvão, inertes, mortos, sem luz...

Revejo-me várias vezes neste centro de luz, nestre centro de calor e sinto-me péssima quando sinto que essa vivacidade se torna inerte por ter escolhido estar longe. E sinto-me ainda pior por viver em falsidade neste "parapeito"...

Outra questão:
Quando acendemos uma luz quem é o primeiro a beneficiar dela?
Somo nós próprios. É verdade, quando chegamos a casa logo após pormos a chave na fechadura e abrirmos a porta acendemos uma luz, pelo menos é o que faço, em grande parte por dois motivos, porque, normalmente, quando chego a casa já é noite e porque tenho alguns probleminhas com o escuro :P

Mas é como nos diz o salmo "Na Tua luz, Senhor, veremos a luz" e só na medida em que, deixarmos embeber da luz de Deus as nossas vidas poderemos ser portadores de luz para os outros.

Assim, me vou "embebedando" desta Luz, que agora se faz sentir mais presente no Natal. e tento levá-la aos meus irmãos em Cristo, àqueles que me suportam e suportam a minha vida e a tornam bem mais quente e bem mais iluminada.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

"Se a bateria do telemóvel está em baixo, ponho-o a carregar; se ouço um barulho estranho no carro, levo-o à oficina; se um relógio pára, mudo a pilha. Mas quando o corpo pede descanso, ignoro; quando a alma me pesa, não lhe dou ouvidos; quando ando ansioso, prefiro olhar para o lado. Como é possível que tenha com as máquinas preocupações que não tenho comigo próprio?"

[Ver para além do olhar - FB]

Profecia de Daniel

Dan. 2,31-45.
 
Naqueles dias, Daniel disse ao rei Nabucodonosor: «Ó rei, tu tiveste uma visão. Eis que uma grande, uma enorme estátua se levantava diante de ti; era de um brilho extraordinário, mas de um aspecto terrível.
Esta estátua tinha a cabeça de ouro fino, o peito e os braços de prata, o ventre e as ancas de bronze,
As pernas de ferro, os pés metade de ferro e metade de barro.
Contemplavas tu esta estátua, quando uma pedra se desprendeu da montanha, sem intervenção de mão alguma, e veio bater nos seus pés, que eram de ferro e argila, e lhos esmigalhou.
Então, com a mesma pancada foram feitos em pedaços o ferro, o barro, o bronze, a prata, o ouro, e, semelhantes ao pó que no Verão voa da eira, foram levados pelo vento sem que deixassem qualquer vestígio. A pedra que tinha embatido contra a estátua transformou-se numa alta montanha, que encheu toda a terra.
Este era o sonho. Vamos agora dar ao rei a sua interpretação.
Tu, ó rei, és o rei dos reis, a quem o Deus dos céus deu a realeza, o poder, a força e a glória;
a quem entregou o domínio sobre os homens, onde quer que eles habitem, sobre os animais terrestres e sobre as aves do céu. Tu é que és a cabeça de ouro.
Depois de ti surgirá um outro reino menor que o teu; depois um terceiro reino, o de bronze, que dominará sobre toda a terra.
Um quarto reino será forte como o ferro; assim como o ferro quebra e esmaga tudo, assim este esmagará e aniquilará todos os outros.
Os pés e os dedos que viste, em parte de argila de oleiro, em parte de ferro, indicam que este reino será dividido; haverá nele alguma coisa da resistência do ferro, conforme tu viste ferro misturado com argila.
Os dedos dos pés, em parte de ferro e em parte de barro, significam que o reino será ao mesmo tempo forte e frágil.
Se tu viste o ferro junto com o barro, foi porque as duas partes se uniram por descendência humana, mas não se aguentarão juntas, do mesmo modo que o ferro não se funde com a argila.
No tempo destes reis, o Deus dos céus fará aparecer um reino que jamais será destruído e cuja soberania nunca passará para outro povo. Esmagará e aniquilará todos os outros, enquanto ele subsistirá para sempre.
Foi o que pudeste ver na pedra que se desprendia da montanha, sem intervenção de mão alguma, e que reduzia a migalhas o ferro, o bronze, a argila, a prata e o ouro. O grande Deus fez conhecer ao rei o que acontecerá no futuro. O sonho é verdadeiro e a interpretação dele é digna de crédito.»

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

"- Aqui estou, Senhor como grão de areia no deserto.
- Aqui estou, Senhor, descalço, à tua espera.
- Aqui estou, Senhor, de coração aberto, à escuta.
- Aqui estou, Senhor, procurando paz na tua resposta.
- Aqui estou, Senhor, como o coração
da Virgem Maria, janela aberta, de par em par.
Para que o sol do teu ser se torne fecundo
e penetre o meu lar com a tua presença.
- Quero estar contigo, sentado, a teus pés,
sem pensar, nem procurar, sensível ao que me advém.
- Quero estar gratuitamente contigo, aqui e agora,
atento à tua palavra, totalmente presente nela.
- Quero unificar o meu ser com o teu,
A minha vida com a tua, Senhor da aurora.
- Tu és, Jesus, a última palavra,
acolhida no silêncio de uma dura experiência;
- Tu és, Jesus, Boa Nova, que alegra o coração,
- Tu és, como o silêncio das noites frias
que gota a gota empapa a terra ressequida.
- Jesus, quero unificar o meu ser de homem.
- Quero ser pessoa. «Ser» e não «Ter».
Ser na sua pureza.
- Quero abandonar o ruído
que me atordoa e escraviza.
- Quero cortar as amarras
que cercam a minha liberdade.
- Quero quebrar, rasgar, forçar, abrir cadeias.
- Quero que ponhas o teu coração terno
no pó e no nada da minha pobreza.
- Quero conhecer, saborear a tua misericórdia
para adoçar o meu coração de pedra.
- Quero que a luz do teu evangelho ilumine o meu ser
e o arranque da noite cega.
- Dá-me, Senhor, o auto-domínio,
o controlo e a vigilância
pois desejo ser servidor do teu Reino.
- Quero ser livre e ainda me sinto manipulado."

sábado, 22 de outubro de 2011

PASSO A PASSO, CHEGAMOS À SANTIDADE

“É Jesus que toma a iniciativa”, diz-nos João Paulo II, um dos padroeiros da nossa peregrinação. E Jesus tomou mais uma vez a iniciativa de nos chamar, através das palavras do Evagelho de S. João “Segue-me”. “Passo a Passo, Chegamos à Santidade”, passo a passo, no silêncio da oração, aprendemos a escutar a resposta “Vinde e vereis” e é com a certeza de que a santidade é também a morada do Mestre que, cerca de vinte e quatro jovens da nossa diocese, se predispuseram a peregrinar rumo ao Santuário de Fátima, nos dias 8 e 9 de Outubro.
O caminho foi longo... Cheio de subidas e de descidas, como que a lembrar-nos os altos e baixos da nossa vida. No entanto, foi uma caminhada muito intensa, cheia de etapas para concretizar, cheia de pequenos passos de oração individual e em grupo. Ao longo do caminho foi-nos feita uma pergunta: “O que é para ti ser peregrino?”. Pessoalmente, este peregrinar foi perceber que este fazer caminho não é em vão, que há sempre mais um passo, há sempre a necessidade de acreditar que há mais um passo e ver reflectido nesse próximo passo o sentido pleno do amor. Do meu amor a Cristo. Este peregrinar foi perceber que Cristo vive ao nosso lado, nos irmãos com quem partilhamos a existência quotidiana, irmãos que, consequentemente, amamos, que são confidentes, que nas subidas elevam o seu folgo ao rtimo do nosso e nas descidas sorriem connosco na agonia do esforço. Ser peregrino também é perceber que enquanto nos temos uns aos outros o caminho é menos árduo, porque rezamos juntos, porque nos sustentamos uns aos outros, porque, ainda que no silêncio, sentimos o passo do irmão e a amizade invadir-nos, porque quando escorregamos há uma mão estendida pronta a segurar-nos... E, enquanto nos tivermos uns aos outros, nada mais importa, porque Ele também estará reunido entre nós!
A peregrinação é um exercício de fé, leva-nos a perceber as nossas motivações pessoais para fazer caminho, leva-nos a pensar que passos queremos dar nas nossas vidas e onde é que queremos que esses passos nos levem. A minha peregrinação interior levou-me a depositar a minha caminhada nas mãos de Deus, “Confia no Senhor, sê forte e corajoso e confia no Senhor”, porque “O Senhor é a minha força, ao Senhor o meu canto, n’Ele está a salvação, n’Ele eu confio e nada temo”. Na peregrinação não corri o risco de interromper o caminho antes de ter chegado à meta da plena comunhão, não tapei as feridas antes de as curar, nem me entreguei ao morno antes de ter tentado ser quente, antes me deixei seduzir pela grande novidade da fé cristã, de que temos um Deus que nos procura para nos amar e, ao dirigir-se a nós, faz-nos o desafio de correspondermos ao Seu amor com a nossa vida, tentei corresponder a este amor, caminhando rumo à santidade, o sentido da cruz...
Em parte, o “Passo a Passo”, teve o seu grande momento junto à cruz, à Cruz Alta, presente no Santuário. Aí, pude agradecer o caminho percorrido, os passos firmes que dei e oferecer as vezes que vacilei, as vezes em que não acreditei, pude oferecer a minha pequenez e oferecer-me a Deus para que me use sem me consultar, como nos ensinam as palavras da Beata Teresa de Calcutá (“O maior milagre é que Deus se serve de pequenas coisas como eu. Usa-nos para fazer o Seu trabalho”; “Deixa que Deus te use sem te consultar”), a outra padroeira do nosso caminho.
Senhor, Tu que nos chamas, em cada dia à santidade, olha-nos com bondade, para que no meio das nossas alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, aspiremos sempre às coisas do alto!

Liliana Nabais

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

"Vamos mesmo dar estes passos que nos aproximam do Amor"




"O peregrino é aquele que num determinado momento da vida, tempo de procura, de inquietação, de desejo e atracção, se põe a caminhar em busca de uma nova verdade de si mesmo. A peregrinação envolve a pessoa toda, o passado, o presente e o futuro, a racionalidade, os sentimentos e a busca da beleza. Supõe uma atitude humilde e confiante, de quem volta a acreditar na vida, porque a procura numa nova s+intese. É a atitude desprendida, que supõe austeridade e mesmo penitência. Peregrinar é aceitar contentar-se, durante um tempo com o estritamente necessário. O peregrino é atraído por uma força interior e conduzido por uma luz superior. A peregrinação gera a harmonia da tranquilidade e da paz".
D. José Policarpo


"O Senhor dirija o nosso caminho e o faça prosperar em frutos de salvação.
O Senhor nos assista e se digne a ser nosso companheiro.
Deus nos ajude a levar a bom termo o caminho que confiadamente agora iniciamos."

E, é assim, que passo a passo, começamos a peregrinação e que, grão a grão, vamos completando esta construção de santidade.

A primeira vez que ouvi alguém responder "... porque quero ser santo" devo ter pensado "está louco!", mas essa loucura tem explicação... Rápido deixa de ser a loucura daquela pessoa, passa a ser a loucura de duas pessoas, depois três, quatro, cinco... E eu também sou afectada! Passo a passo, senti mais forte este desejo de santidade, este desejo de aceitar e carregar a cruz.

O que é ser peregrino?
É ter presente que as subidas e as descidas do caminho, são os altos e baixos da vida e que, inevitavelmente, vamos ter de passar por eles. E, no caminho, fazemo-lo acompanhados pelo peregrino do lado que é, consequentemente, um irmão que amamos, um confidente e muitas vezes um 'pai' ou uma 'mãe', é aquele que nas subidas eleva o seu folgo ao ritmo do nosso e nas descidas sorri connosco na agonia do esforço... Ser peregrino é bom!
Ser peregrino também é perceber que enquanto nos temos uns aos outros o caminho é menos árduo, porque rezamos juntos, porque nos sustentamos uns aos outros, porque no silêncio sentimos a amizade invadir-nos, porque quando escorregamos há uma mão estendida pronta a segurar-nos... E, enquanto nos tivermos uns aos outros, nada mais importa, porque Ele também estará reunido no meio de nós!

Ao longo deste exercício de fé, fui tentando perceber as minhas motivações, os meus passos, o que me levou ali... Não sei... No entanto, entreguei-me e depositei a minha caminhada nas mãos de Deus. "Confia no Senhor, sê forte e corajoso e confia no Senhor". E, nalguns quilómetros de caminho, aproveitei para lembrar, cantando, que "O Senhor é a minha força, ao Senhor o meu canto, n'Ele está a salvação, n'Ele eu confio e nada temo, n'Ele eu confio e nada temo"...

E deixei-me enamorar nas palavras de Henry Newman, reelaboradas por Madre Teresa:

"Ó Senhor, ajuda-me a difundir a Tua fragrância
por onde quer que eu vá.
Inunda a minha alma
com o teu espírito e com a tua vida.
Penetra em mim e apodera-te do meu ser
de modo tão completo
que toda a minha vida seja uma irradiação da Tua.
Ilumina por meu intermédio cada alma e
toma posse de mim de tal modo
que cada alma de que me aproxime
possa sentir a Tua presença na minha alma.
Faz com que, ao ver-me, não me veja, mas a Ti.
Fica comigo.
A minha luz virá toda de Ti, Senhor,
e nem sequer um raiozinho será meu.
Serás Tu a iluminar os outros por meio de mim.
Sugere-me o louvor que mais Te agrada,
iluminando os outros à minha volta.
Que não Te pregue com palavras,
mas com o meu exemplo,
com a influência das minhas acções,
com o fulgor visível do amor
que o meu coração recebe de Ti."

Senhor, Tu que nos chamas, em cada dia à santidade, olha-nos com bondade, para que no meio das nossas alegrias e tristezas, vitórias e derrotas, aspiremos sempre às coisas do alto!

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

Preciso de crer, aumenta a minha fé

Aumenta a minha fé, Senhor,
preciso de ter uma fé sólida, valente,
na qual não haja lugar para a dúvida.
Preciso de ter uma fé cega,
que não procure continuamente provas para crer;
uma fé que tenha a certeza, desde o primeiro momento,
de que tu não estás morto,
de que ressuscitaste e estás vivo entre nós.

Às vezes sou como os discípulos de Emaús,
afasto-me, penso que está tudo acabado,
que tudo chegou ao fim,
que foi tudo uma história bonita,
mas que há que voltar a pisar a terra.

Às vezes, Senhor, sou também como Tomé.
Quero ver para crer, quero tocar, para comprovar,
não me fio no que me dizem.
Não me fio nas pessoas convenvidas
e alegres que se cruzam comigo.
Enquanto por fora continuam a dizer que ressuscitaste,
eu continuo escondido na minha cegueira,
com vontade de lançar tudo borda fora,
mas também com vontade de ver um pouco de luz.

Talvez sejas tu, Senhor,
quem me devolva essa luz que tanto desejo.
Talvez sejas tu, Senhor,
que me devolva a ilusão perdida.
Talvez sejas tu, Senhor,
quem me abra os olhos para ver a verdade.
Talvez Senhor, Tu possas fazer com que volte ao teu regaço.

Aumenta a minha fé,
proque preciso de crer.
Aumenta a minha fé,
porque quero amar-te cada dia mais.
Aumenta a minha fé, Senhor,
Aumenta a minha fé.

[Orar com Deus]

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Saudades dos ténis :P


Confesso que já sentia muitas saudades do meu "téni" esquerdo e do meu "téni" direito :P
Esta semana foi quase um reviver Madrid pelas dores nos pés e bolhas...
Mas sente-se o orgulho. Eu senti o orgulho de ser aspirante, senti o orgulho da minha praxe, senti o orgulho pela dor que a minha praxe me trouxe, senti o orgulho de trajar e de honrar o espírito académico... E, ainda que não tenha pertencido à comissão, também os sinto como meus caloiros e também me orgulho disso.
Orgulho-me dos afilhados que baptizei e de lhes ter dado as boas vindas aos melhores e aos piores anos das suas vidas na faculdade.
Esta semana foi louca... Quase sem paragens, correu a passos largos, foi cheia de "mimice" também :)

Obrigado a todos os que fizeram parte dela :)

sábado, 24 de setembro de 2011

Porque rezar, como rezar (Enzo Bianchi)

Reza sem cessar aquele que junta a oração aos deveres inadiáveis, e os deveres inadiáveis à oração. Só assim podemos pôr em prática o preceito «Rezai sem cessar» (1Ts 5, 17): se considerarmos toda a vida cristã como uma grande oração, da qual o que costumamos chamar oração é só uma parte.
Orígenes, A oração, 12,2

Por mais que possamos falar disso, todas as nossas palavras acerca da oração jamais se poderão igualar ao que a experiência ensina. A oração precisa de experiência. Oração é essencialmente fazer a experiência da presença divina. Fora desta experiência de Deus não há oração.
Matta el Meskin
L'esperienza di Dio nella preghiera, p. 371

«Até agora perguntávamo-nos: "O que é a oração?" Hoje, de repente, perguntamo-nos: "Ainda rezamos?"... Não sabemos mais se rezamos, e nem sequer se a oração ainda é possível. Porventura, demasiado fácil antes, ela parece hoje incrivelmente difícil. Hoje, como havemos de rezar, onde havemos de rezar?»
André Louy, Lo Spirito prega in moi, (pp. 10-11)

«à pergunta perplexa acerca do motivo pelo qual a fé, apesar de todos os esforços para a vivificar, esmorece num número crescente de cristãos, pode dar-se uma resposta muito simples, que talvez não contém toda a verdade, mas indica uma escapatória: a fé esmorece quando deixa de ser praticada... E essa práxis é a oração, em toda a plenitude do significado que este conceito comporta na Escritura e na Tradição.»
Gabriel Bunge, Vasi di argilla (p.9)

«Quando Jesus Cristo nos une à Sua oração, quando podemos fazer nossa a Sua oração, então somos libertos do tormento dos homens que não podem rezar. Mas é precisamente isto que Jesus Cristo quer para nós: Ele quer rezar connosco, quer que façamos nossa a Sua oração... Nós rezamos correctamente quandoa nossa vontade e todo o nosso coração se unem à oração de Cristo. Só em Jesus Cristo é que nós podemos rezar; e é também com Ele que aremos ouvidos.»
Dietrich Bonhoeffer, Pregare i Salmi con Cristo (pp. 64-65)

«Quando o Espírito estabelece a Sua morada no Homem, este já não pode deixar de rezar, porque o Espírito não cessa de rezar nele. Quer durma quer vigie, a oração não cessa nele; coma ou beba, durma ou trabalhe, o perfume da oração exala espontaneamente do seu coração. Então ele já não reza em horas determinadas, mas reza em todos os momentos. Mesmo o silêncio nele é oração e os movimentos do seu coração são como uma voz que, silenciosa e secreta, canta, canta para Deus.»
Isaac de Nínive, Prima collezione 35

«Jesus não só acolhe na oração tudo aquilo que é humano, mas ao mesmo tempo dá-lhe uma orientação nova, colocando-o directamente em relação com Deus... Ele encontra uma motivaação nova para falar de Deus. Para Ele, Deus não é a Majestade inacesssível, cuja Presença enche de medo ou de incompreensão; não é sequer o Absoluto, cujo afastamento e solicitude deixa o Homem completamente indiferente, mas é o Deus próximo, é o Pai que nos ama e de Quem devemos aproximar-nos com a simplicidade e a confiança de filhos. Na palavra "Pai" está todo o segredo da vida e da oração de Jesus»
Inácio de la Potterie, La preghiera di Gesù (p. 161)

«Suplicar a Deus para que conserve em nós o dom da fé, da luz que nos faz reconhecer em Jesus o Filho de Deus; exaltar a Deus que nos deu essa luz e os fez reconhecer a Sua realidade infinita, que se revelou no Seu Cristo: esta é a nossa vida. Toda a nossa vida, sem distinção de momentos, numa só unidade, numa só unificação. O Homem perfeitamente unificado chega a ser somente e incessantemente esta súplica e este louvor.»
Giuseppe Dossetti, L'identità del cristiano (p. 230)

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Passo a passo

Tenho pensado que as pessoas podem não ser ou não são quem, realmente, pensamos ser ou quem, realmente, aparentam ser... Isto por causa de um livro 'delicode' que ando mais ou menos a ler. Não pegava neste livro talvez há anos, mas é daqueles livros que, quando retomamos a leitura, mesmo depois de anos, conseguimos saber, exactamente, em que ponto da história parámos. É daqueles livros que não desenvolvem, estão sempre a bater na mesma tecla e quando se chega ao fim fica-se com aquela sensação de "finalmente acabou, mas nem consegui perceber o porquê do título", isto porque a história é demasiado estranha...
Voltei a pegar neste livro, porque um ou dois dias antes tinha visto um filme que me relembrou parte da história.
O livro tem como personagem principal um arquitecto que tem sempre mil e uma coisas para fazer, mil e um sítios onde estar ao mesmo tempo e não vive além do trabalho, da empresa e dos prémios... Até ao dia em que decide oferecer um café a um mendigo que vive à porta da empresa. O mendigo muda a sua vida. Aliás, depois do café, o mendigo quase assume a sua vida. Além de outros pormenores estranhos, a história tem um que nunca percebi e chega a massacrar o leitor na tentativa de o explicar... O escritório do arquitecto, supostamente, funciona no décimo terceiro piso, mas esse piso não existe. Não consta dos botões do elevador, não consta na identificação do piso. Passa do décimo segundo para o décimo quarto piso, é como se existisse ali um buraco, sem ele, realmente, existir. A interpretação que faço disto é "aquele piso não existe porque as coisas e pessoas que 'habitam' nele também não existem. Assim, também arquitecto não existe porque era impensável alguém existir com aquela vida". Talvez o fim da história o revele. Não sei. E também não sei se algum dia chegarei a sabê-lo, porque o que me fez voltar não formam, nem os lindos olhos do arquitecto, nem as suas calças excelssamente engomadas, mas sim o mendigo... 

O mendigo apresenta-nos na história a sua visão do mundo. E se pensam que a sua visão é uma visão revoltada contra a sociedade onde sobrevive, enganam-se...
Este mendigo vive quase conformado com a sua situação, vive feliz a conhecer as pessoas pela sua forma de andar, pela marca dos sapatos, pela graxa com que engraxam os sapatos, pela cor dos atacadores... É assim, nesta simplicidade que conhece as pessoas. Não precisa de caras, nem de nomes... Pela forma de andar consegue tirar a "pinta" aos que por ali passam. Lembro-me de, quando comecei a ler o livro pela primeira vez, ter pensado que aquele homem e que a maioria dos mendigos do mundo, têm muito esta visão de cão... Se pensarmos bem os cães quando andam pelas ruas também só vêem sapatos, pés, formas de andar... Até em arquitectura isto é possível! Sabem aquelas janelas de cave que no exterior ficam rente aos passeios calcetados? Exacto, quem espreita através do interior delas também consegue essa visão de cão. Mas duvido que, quem espreite por elas e até mesmo os cães, tenham a sensibilidade deste mendigo. Não interessa o seguimento da história, porque é realmente entediante. Interessa apenas esta visão do mundo.

Lembrei-me disto quando vi "A Experiência Humana". Dois rapazes vão à procura de experiências humanas e de realidades diferentes das que vivem, uma delas passa por serem mendigos e viverem do nada. Dormirem na insegurança da ruas, no frio dos passeios, comerem o que tantas vezes não lhes dão, ou seja, nada...

E pergunto-me.
E nós?
Quantas vezes pensamos ser mendigos nas nossas vidas devassas apenas porque por momentos não nos compreendem, apenas porque nos dizem "não"?
E quantas vezes não somos realmente mendigos? Quando não tentamos conhecer, verdadeiramente, as pessoas à nossa volta e apenas nos deixamos deslumbrar pela sua 'forma de andar', apenas nos embevecemos com o que dizem ou como dizem e não levamos a fundo esse conhecimento?

O Senhor conhece as Suas ovelhas. Elas ouvem-n'O e reconhecem a Sua voz...
Até o cego de nascença na sua cegueira, soube reconhecer os pés do Mensageiro da Paz...

E nós nem nos damos ao trabalho de conhecer quem está ao nosso lado... Conhecê-los pela sua forma de andar, pela sua voz, pela sua alegria, pelos seus pecados, pelo seu silêncio...

Por isso me sinto feliz de conhecer o toque das chaves do meu pai ou da minha mãe, de saber distingui-los, de saber quando são eles ou são vizinhos que entram no prédio, de saber qual deles abre a caixa do correio, de saber quando são os tacões da minha mãe ou o passo coxo do meu pai...

Por isso sinto-me feliz de ser 'mendiga' e ter uma visão que passo a passo me leva a horizontes mais longíquos. Por isso me sinto feliz de ir conhecendo os que comigo caminham e que partilham as suas vidas comigo. Por isso me sinto feliz de amá-los na sua alegria, nos seus defeitos, nos silêncios, nas suas lutas...

Obrigado por nos deixares pegadas à beira mar para que saibamos reconhecer o Teu passo, o Teu caminho, mesmo na tribulação...

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Peixes

Tela com aplicações em cartão prensado e ráfia

"Os Peixes mostram-se etéreos e misteriosamente charmosos, quase frágeis. Mostram, um nível de consciencialização que muitos desconhecem. Não são pessoas materialistas, entregam-se frequentemente de corpo e alma a causas que os outros vêm como perdidas, para eles não existe nada sem redenção.
Cheios de compaixão, a realidade em que vivem é tão verdadeira quanto a física. Possuiem uma paz interior invejável e conseguem manter-se calmos nas circunstâncias mais adversas. Visionários e muito sensíveis, respondem facilmente aos pensamentos e sentimentos dos outros. Conseguem perceber se os outros estão a passar por dificuldades, detectando a dor e sofrimento nas suas vidas.
Os Peixes escolhem muitas vezes dedicarem todo o seu tempo e energia a ajudar alguém desolado, e fá-lo sem pensar na recompensa. São capazes de se colocar nas condições mais indesejáveis para ajudar a libertar a carga de outros.
Os Peixes costumam ser bastante artísticos por natureza, virados sobretudo para a música e dança, mas também para a pintura, representação e outros. Nada egoístas e muito dedicados, fecham os olhos aos defeitos dos que amam.
Neptuno governa este signo mutável de água que tem como frase chave «eu acredito»."

Nem sempre é fácil possuir esta paz interior invejável, fechar os olhos aos defeitos dos que amamos, dançar...
Mas «eu acredito» e isso mantém-me viva!

Hoje, louvo-Te e Te dou graças por me manteres apaixonada e "aprisionada" ao Teu amor...

terça-feira, 13 de setembro de 2011


Andava eu na net à procura de coisas giras e encontrei uma t-shirt mesmo gira :P

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

"Só em Deus descansa a minha alma,
d'Ele vem a minha esperança.
Só Ele é o meu refúgio e salvação,
a minha fortaleza; jamais serei abalado"
[Salmo 62 (61), 6-7. 9]


É verdade, só em Deus andava a descansar a minha alma, mas, hoje, nem sei onde ela anda...

"Depois de muitas expectativas alimentadas na grande cidade, lá voltamos nós à nossa pequena aldeia da vida comum, com desalento e tristes." [ramodeamendoeira]

Depois das minhas ilusões alimentadas na grandeza deste Amor, lá volto eu à minha pequena pequenez, à minha pequena vida, aos meus pequenos horizontes que acabam na ponta do nariz... Pena o nariz não ser de Pinóquio...
Se calhar devia mendigar ao Senhor quartos de hora de compreensão, quartos de hora de fortaleza, quartos de hora de protecção, quartos de hora de um amor que nunca acabe...

Hoje, li qualquer coisa parecido com "se calhar Jesus é bem mais divertido do que o imaginamos". Quando a minha oração é de alegria consigo imaginá-Lo bem sorridente, bem amoroso. Quando na minha oração abunda aquilo que eu penso e não o que eu sinto, também não O vejo distante, vejo-O atento, próximo, vejo-O amar-me mesmo no meu pecado.
E sinto-O comigo... Naquele que vai entrando aos poucos, que vai caminhando comigo, que se alegra com as minhas alegrias e me levanta das minhas quedas, que 'manda vir' o perdão para que também eu possa ver o Senhor no alento renovado...

Olha Cristo, dou-te graças por este amigo e rezo por ele, pela sua caminhada, que seja cada vez mais firme, mais ousada e seja bem longa. Peço-te para que ele continue a iluminar-nos e a resgatar-nos dos nossos horizontes limitados.

Obrigado poe estar aqui. Junto.



quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Testemunho JMJ

A Jornada Mundial da Juventude em Madrid, não é um acontecimento fácil de expor em palavras. De certa forma, a Jornada começa com a visita da cruz que, o agora beato, João Paulo II entregou aos jovens, para que desse a volta ao mundo, a Jornada começa quando se toma o peso dessa cruz já carregada por milhares de jovens, começa quando se sente o peso de uma parte da Igreja que me acolhe. No entanto, a verdadeira Jornada vive-se em Madrid, onde acontece a Igreja Universal.
Sinto que não parti com uma expectativa demasiado elevada, sinto até que não sabia o que esperar da Jornada Mundial. Madrid revelou-me uma semana cheia de tudo. Cheia de peripécias, de sustos, de cansaço e, sobretudo, cheia de amor, de atenção, dedicação e entrega...
No primeiro dia, visitei a exposição da Madre Teresa de Calcutá, na Casa das Missionárias da Caridade e, além do esplendor da vida da beata que me comove pela dimensão da simplicidade, retive, pelo que ia lendo nos painéis ao longo dos corredores, a imagem de uma fruta apodrecida numa fruteira. Naturalmente, essa fruta apodrecida aprodeceria as restantes frutas à sua volta e, aqui, comparo um pouco com a experiência de Madrid, houve momentos desagradáveis que poderiam ter “apodrecido” a semana, no entanto, isso não aconteceu... Esses momentos que foram surgindo apenas nos mostraram a firmeza da nossa fé.
Senti que, em Madrid, aconteceu magia. Senti o poder do amor de Deus actuar e tornar-se cada vez mais visível, mais fáil. Senti em cada olhar, sorriso e palavra uma manifestação desse amor. Senti como é bom continuar a crescer ao lado daqueles que partilham comigo esta magia, como é bom crescer nesta Igreja jovem presente nas ruas, nas praças, nos metros, nos comboios de Madrid.
Em Madrid, soube bem a dureza e a simplicidade. Soube bem a dureza do cansaço que contava a história de mais um pedaço de caminho. Soube bem aperceber-me da grandeza do beato João Paulo II, no espectáculo do Wojtyla. Soube bem rezar vésperas no meio da rua, soube bem a simplicidade dessas paragens para nos manterem em ritmo de oração. Soube bem adentrarmo-nos na confusão para ficarmos apenas mais próximos. Souberam bem as partilhas, à noite, na aparente quietude de Móstoles. De certa forma, começou a saber bem os contratempos, o pó do aerodromo, a chuva durante a Vigília, pela união que se criou. Soube bem, em cada dia, darmos as mãos ao rezar o Pai Nosso e sentir a enormidade do abraço da paz, apesar de só abraçar aquele que está junto de mim, é um acto que se torna uno, ali entre dois milhões de jovens.
De Madrid ecoam ainda as palavras do Santo Padre “Deixai que esta Palavra penetre e crie raízes nos vossos corações, e sobre ela edificai a vossa vida. Firmes na fé, sereis um elo na grande cadeia dos fiéis... A Igreja precisa de vós e vós precisais da Igreja”, chego a Portugal este desafio de radicar a minha fé em Cristo e a tornar-me cada vez mais firme na fé da Igreja alimentada pela Palavra de Deus.
Agora que recordo Madrid, lembro a agitação das ruas, lembro o cruzar-me com tanta gente desconhecida que esteve ali e que vive fortalecida pela mesma alegria que eu, lembro a “independência” responsável, a liberdade entrecortada pelo susto, a adrenalina da distância e do sentir perto. Agora, sinto Madrid como cidade de contraste, um contraste são, agradável. O contraste de querer estar fora, estando dentro, o querer partir e ficar...
De Madrid, retenho também o desafio de ser aquilo que devo ser e assim pegar fogo ao mundo inteiro, como concluia a mensagem transmitida no musical Wojtyla.
Na certeza desta fé mais firme, hoje confio ao Senhor, as palavras de Bento XVI na homília da eucaristia do envio no aerodromo de Quatro Ventos, “Jesus, eu sei que Tu és o Filho de Deus que deste a Tua vida por mim. Quero seguir-Te fielmente e deixar-me guiar pela Tua palavra. Tu conheces-me e amas-me. Eu confio em Ti e coloco nas Tuas mãos a minha vida inteira”.

sábado, 27 de agosto de 2011



Cheguei à pouco do café com as amigas. Nos poucos metros entre a casa e o local onde nos separamos, pensei em tanta coisa... Pensei nos comentários espontâneos "andas a mil", "precisas de abrandar"... Pensei nas saudades de Madrid, que começam a assolar... A agitação das ruas, a agitação da noite, das "corridas" para Atocha, do fugir da confusão, do cruzar-me com tanta gente desconhecida que estava ali e vive pelo mesmo que eu, da alegria dos outros países, das viagens de comboio, de metro, do encostar um pouquinho a cabeça e sentir um porto seguro naquele que caminha comigo... Esta noite senti saudade disso... Senti-me parada, demasiado parada nesta correria que outros veêm a mil... Senti saudade daquela "independência" responsável, daquela liberdade entrecortada pelo susto, da adrenalina da distância e do sentir perto... Hoje senti Madrid, como cidade de contraste, mas um contraste são, um contraste agradável. Assim como o choque térmico estimula a circulação sanguínea, o contraste de Madrid estimulou este querer estar fora, estando dentro... O querer partir e ficar... O querer andar a mil de forma ponderada...

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Hemos vuelto llenos!



Si, es verdad. Hemos vuelto!

Viagem, expectativas, animação e, finalmente, Madrid!
Uma semana bem cheia de tudo... De peripécias, de sustos, de cansaço, mas, sobretudo, cheia de amor, cheia de atenção e dedicação aos que caminham connosco...

Senti que, em Madrid, aconteceu muita magia. Senti o poder do amor de Deus actuar e tornar-se cada vez mais visível, mais fácil, mais firme. Senti em cada olhar, sorriso e palavra uma manifestação desse amor. Senti como é bom continuar a crescer ao lado daqueles que partilham comigo toda a magia. Senti o longo caminho que ainda há a percorrer...

Em Madrid, soube bem a dureza e a simplicidade. Soube bem a dureza do cansaço que contava a história de mais um pedaço de caminho. Soube bem a simplicidade de ver a entrega de outros e lembro a exposição da Madre Teresa. Souberam bem as lágrimas que cairam ao aperceber-me da grandeza do beato João Paulo II, no espectáculo do Wojtyla. Souberam bem os hinos, os salmos, os cânticos, as leituras breves e as preces da oração de vésperas no nosso cantinho do telheiro em Colón. Soube bem meter-me na confusão para ficar apenas mais próxima. Soube bem cada partilha. Soube bem orar pelos outros. Soube bem cuidar deles. De certa forma, começou a saber bem o pó do aeródromo, a chuva, os contratempos, pela união que se criou. Soube bem o darmos as mãos e rezar o Pai Nosso e apeceber-me da enormidade da Igreja que me acolhe em cada dia. Soube bem cada abraço da paz, cada promessa "Estou aqui, sempre!". Soube muito bem estar.

Assim, vejo Madrid, sob um olhar bem palerma que deixa muitas histórias gravadas, muito para contar, muito para saborear... Assim, recordo Madrid, com um largo sorriso quando penso na luz que fomos e somos uns para os outros, cada vez mais...

Obrigado*

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Mochila aviada, rumo a Madrid!!



Depois de uns dias na praia, de um fim-de-semana alargado em missão, de mais duas semanas na praia e três ou quatro dias em casa, está, novamente, a mochila aviada a postos para seguir para Madrid...

Muito há para dizer, muito há para escrever, mas é no silêncio que tudo é mais saboroso... É no silêncio que o amor ganha cada vez mais forma... E, apercebi-me que amo cada vez mais...
Tem sido um tempo bem especial e os mais próximos sabem-no e, de certa forma, saboreiam comigo este doce que Ele me deu, o doce que tem permitido preencher as horas e os dias...

Obrigado, Senhor, por Te manifestares, pelos Teus milagres, pela Tua providência :)

segunda-feira, 25 de julho de 2011

As três plenitudes



"Os leitores já percebram, certamente, uma das minhas obcessões: o medo de que uma grande parte dos seres humanos esteja vazia de alma, seja gente incompleta, espantalhos de homem, seres por terminar, ou mesmo, por construir. Julgo que não exagero: alta percentagem de pessoas ficaram a meio caminho, pensaram que já estavam realizadas e dedicaram-se a vegetar, sem descobrir sequer que a sua alma era um tonel semi-vazio. Realmente no mundo há bastante menos “homens” do que as estatísticas registam: ficaram a meio, presos à sua adolescência, como uma fruta que nunca chega a amadurecer.
Ultimamente, porém, juntei a esta uma outra preocupação: os que estão cheios, para que serve a sua plenitude? O que fazem dela?
Esta preocupação começou a surgir no dia em que, lendo S. Alberto Magno, encontrei uma expressão terrivelmente reveladora. Diz o santo que existem três géneros de plenitude: “a plenitude do vaso, que retém e não dá; a do canal, que dá e não retém; e a da fonte, que cria, retém e dá”. Que tremenda verdade!
Conheço muitos homens-vaso. São aqueles que se dedicam a armazenar virtudes ou ciências, que têm tudo, coleccionam títulos, sabem tudo quanto se pode saber, mas julgam que cumpriram a sua missão ao encherem o seu depósito: não repartem sabedoria nem alegria. Têm, mas não partilham. Retêm, mas não dão. São magníficos, mas magnificamente estéreis. São simples servos do seu egoísmo.
Conheço também homens-canal: são aqueles que se gastam em palavras, passam a vida fazendo coisas e mais coisas, que nunca aprofundam o que sabem, que tudo o que entra pelos ouvidos deixam sair pela boca sem pousar no coração. São aqueles que padecem de neurose da acção, têm de fazer muitas coisas e todas depressa, julgam servir os outros, mas o seu seviço é, na verdade, uma maneira de acalmar as alfinetadas da alma. Homens-canal são muito jornalistas, alguns apóstolos, sacerdotes ou leigos. Dão e não retêm. E, depois de dar, ficam vazios.
Como é dificil, ao contrário, encontrar homens-fonte, pessoas que dão daquilo que é a vida da sua alma, que repartem como as chamas, acendendo a do vizinho sem diminuir a própria, porque recriam tudo o que vivem e compartilham tudo o que recriam. Dão sem se esvaziar, regam sem diminuir, oferecem a sua água sem secar. Cristo – penso – foi assim. Ele era a fonte que brota inextinguível, água que mata a sede para a vida eterna. Nós – quem dera – já nos daríamos por felizes se fôssemos uns simples fiozinhos escorrendo do alto da grande montanha da vida..."

Jornal Balada da União Maio/Junho


quarta-feira, 13 de julho de 2011

Água viva


"A sede é mais do que a ausência de água. É algo que não é experimentado pelas pedras, mas apenas pelos seres vivos, que precisam da água para viver. Qual dos dois sabe mais acerca da água viva, a pessoa que abre a torneira todos os dias sem pensar grandemente no assunto, ou o viajante do deserto, torturado pela sede que busca uma fonte de água"

[Vem, sê minha luz]
Madre Teresa


sábado, 2 de julho de 2011

Catedral de Pedra Oca


Um rei queria construir um templo e por isso pediu aos seus subditos que sugerissem qual o melhor material para a edificação do templo. Apareceram sete candidatos, mas apenas seis sugestões. Entre granito, mármore, cimento armado, prata, ouro, surge aquele que chega de mãos vazias e diz "Senhor, eis-me aqui!". Surge aquele que se entrega como pedra viva no templo do Senhor. Aquele que edifica a sua casa sobre a rocha, aquele que sente o "Fica connosco"...
Na Vigília de Oração onde escutei, uma vez mais, esta parábola da pedra para a construção de um templo, quis retirar-me da agitação e da desorientação da semana que passou, quis parar para me encontrar com o meu maior Amigo, quis agradecer-lhe por estar comigo sempre, mas no decorrer da Vigília, cheguei a pensar "Bolas! Não chega um ano de arquitectura, um semestre de materiais, uma semana deprimente e, até aqui, só se fala em granitos, mármores, argamassas... Uf!!" No entanto, esta Argamassa não se enquadra nas categorias de argamassa que deveria estudar. Esta Argamassa é sobretudo salvífica, é sobretudo sal da terra e luz do mundo. É Argamassa que une cada pedra do templo... É Ele que une cada um de nós...
Após uma partilha bem sincera, percebi que não tinha sido fácil compor o cenário da Vigília. O cenário equilibrava a cruz de S. Damião em pedregulhos e à volta havia pedras mais pequenas, areia e velas. Não tinha sido fácil equilibrar as pedras umas nas outras, não tinha sido fácil mantê-las constantes. Houve, talvez, a necessidade de procurar várias posições para que se equilibrassem. Não somos nós também assim? Pedras a tentar moldar-nos às situações quotidianas, a adaptar a nossa posição de forma a ficarmos mais confortáveis? A grande questão é que devemos sair cada vez mais de nós próprios e sermos cada vez mais os "serventes", as pedras vivas da obra de Cristo!! Devemos estar dispostos a dizer-Lhe a cada dia "Senhor, eis-me aqui! Portanto, faz de mim o que quiseres..."

Obrigado, por estares sempre comigo. Obrigado por seres o meu Maior Amigo :)

terça-feira, 28 de junho de 2011

Um olhar sob a Gulbekian













Maquete do Spa, Lab Arq II







Depois de muitas horas de trabalho, cá está :)

segunda-feira, 20 de junho de 2011

"Porque Ele é fiel... Confia"



Será esta a receita para não ter dias maus?
Confiar?
Confiar no Todo Poderoso que faz em mim maravilhas todos os dias?

Obrigado**

quinta-feira, 16 de junho de 2011

terça-feira, 14 de junho de 2011

"Vou dizer-te que o Amor"

"Andava triste no meio da vida
Sem ter um ponto de partida
Tinha fome e tinha sede
De encontrar um caminho
Até que alguém que eu já conhecia
Transformou a minha noite em dia
Deu-me o pão e o vinho da vida
E eu logo escutei

Vou dizer-te que o Amor
É o que Jesus é por ti
Jesus Cristo, Senhor
Está contigo até ao fim
E se alguém disser agora
Que Tu queres muito mais de mim
Jesus Cristo
És o caminho até ao fim!

Na na na na na...

Tenho andado e andarei
À procura na multidão,
Perdi amigos que precisei,
Mas encontrei muito mais
Bebi Teu sangue, o vinho da Vida
Tua Voz é o que procurei
Teu corpo o pão numa cruz erguida
Que eu logo adorei

Este silêncio que me incendeia
É uma chama de Amor que ateia
Um braseiro no coração
Como o vinho e o pão
És o caminho, a Verdade e a Vida
És o Amor que já encontrei
Transformaste a morte em vida
E eu sempre cantarei"

terça-feira, 7 de junho de 2011


Caro Spa, eu já te "plantei" agora, desde que não metas água, devias crescer sozinho :P

Hoje e sempre :)



quarta-feira, 1 de junho de 2011


Eram 23h27 e eu estava no 28 a chegar a casa, quando me apercebi que é sempre assim. Primeiro, está cheio e depois vai esvaziando... Quando comparei, vi que nem sempre é assim! Sinto que há coisas que vão enchendo, enchendo e não esvaziam! E fica-se assim sempre cheio de uma grande palermice e de muito amor :D
Hoje foi um desses dias. Hoje encheu!!
Foi um dia cheio de sol brilhante e esplanada com vista para o rio, cheio de sorrisos, cheio de telefonemas e mensagens bem queridas, cheio de oração, cheio de palermice e cheio de partilha!
Foi um dia de grandes amizades...

Parabéns Joana, verdadeira médica. Que Ele ilumine os teus caminhos e te permita curares as doenças com o teu sorriso, com o brilho no olhar e com o amor com que serves.
Rezo por ti, minha amiga gira :P